quinta-feira, 23 de novembro de 2017

LONGA ESPERA
Fiquei te esperando o dia inteiro,
a espera foi mui longa e cansativa.
Meu mundo desabou e foi caindo,
meu sonho se ocultou e foi sumindo,
só me restou a esperança ainda viva.
Te esperei e te busquei com minhas forças,
Chorei enquanto o tempo deslisava.
Fiquei assim sem ver o que me via,
fugiu de mim a flor e a poesia,
nem mesmo percebi que eu chorava.
A espera foi tão longa e cansativa,
A tarde veio, mas você não veio junto.
Meus olhos se molharam com meu pranto,
a vida se tornou um triste espanto,
fugiu de mim meu riso e meu assunto.
Cícero Alvernaz (autor) 23-11-2017.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

TUDO E NADA
Vida desorganizada,
casa desarrumada,
pomar sem florada,
amor na escada,
olhar da amada,
tudo e nada,
vida desajeitada,
família separada,
espelho sem imagem destacada,
rio de água parada,
boi sem manada,
cavaleiro sem estrada,
sonho que não sonha nada,
beijo sem os lábios da amada,
verdade fabricada,
livro de capa rasgada,
essa vida desorganizada
é muito abençoada.
Cícero Alvernaz (autor) 22-11-2017.
COMPORTAMENTO
Comportamento vem do verbo comportar. É uma forma de agir nos vários segmentos da vida em sociedade. Ninguém nasce com determinado comportamento, mas se adquire no correr da vida, dependendo do meio em que a pessoa vive. Tem bons e maus comportamentos de acordo com a avaliação geral. A pessoa, geralmente, muda o seu comportamento com o tempo de acordo com as fases da vida. Comportamento não é genético, não é biológico, mas pode ser adquirido de alguém. Todas as pessoas tem comportamentos e alguns são estranhos: como viver por aí sem casa, sem emprego e quase sem roupa. Muitas vezes, isto é uma opção da pessoa, uma vida que a pessoa gosta de levar em busca de uma liberdade falsa e mentirosa. Há bons comportamentos, pessoas comportadas, educadas e finas, como se diz usualmente. Escrevendo agora, eu me pergunto: como tem sido o meu comportamento atual? Será que eu preciso mudar o meu comportamento? Preciso refletir mais sobre isto. (22-11-2017).

terça-feira, 21 de novembro de 2017

A GALINHA
Suas penas e seu bico,
seu pescoço balançando,
a galinha é uma ave-aeronave,
pois voa, pousa e repousa depois.
A galinha faz tudo de novo,
cisca, belisca, bota ovo
e cuida bem dos seus pintinhos.
E à tarde ou de noitinha
ela vai acompanhada ou sozinha
descansar do dia inteiro
no seu tosco poleiro.
A galinha é assim:
canta e bota para mim.
21-11-2017.
TENHO PRESSA
Tenho pressa.
Meu verso tem pressa,
tem pressa, tem asas.
Tenho pressa...
Meu amor está me chamando
para fazermos uma viagem encantada
onde beijos nascerão na estrada
e rios correrão de nossos olhos,
sonhos nascerão de nossas pálpebras,
flores crescerão no nosso peito,
versos surgirão na nossa boca,
risos se abrirão sem ter limite,
vida surgirá de nossos pés
e não haverá nenhum revés
que nos frustrará nessa jornada.
Tenho pressa...
Meu verso tem pressa,
tem pressa, tem asas,
o mundo será nossa cama,
o tempo será nossa casa.
Cícero Alvernaz (autor) 21-11-2017.
MALABARES
Sempre os vejo no sinal
expostos ao perigo de serem atropelados.
São os malabaristas
que se expõem com a sua arte duvidosa
e pedem a alguma alma caridosa
uns trocados, um real.
Gente ainda jovem, novos artistas,
são os malabaristas
que ficam no sinal e acham isto normal.
Embora eu ache isto paradoxal
respeito a opção, ou a necessidade.
Não entendo nada desta atividade
por isto não posso julga-la.
Sempre os vejo no sinal,
alguém os xinga
o instrumento de trabalho se vinga:
cai no chão e isto irrita ainda mais.
São os malabaristas, os novos artistas,
gente ainda jovem
que poderia estar trabalhando,
mas está dando trabalho
pros motoristas.
Cícero Alvernaz (autor) 21-11-2017.
NEM TANTO AO CÉU, NEM TANTO Á TERRA

Volta e meia emerge o assunto igreja, ou igrejas e a discussão flui às vezes naturalmente. São tantas as vertentes, as opções e as confusões que a gente até se perde e fica sem saber o que fazer, o que dizer, acusar ou defender. Tem igrejas para todos os gostos e em todas elas tem pessoas que, se estão lá, é porque se sentem bem, ou tem algum interesse pessoal, moral, emocional ou financeiro para permanecer lá. Acredito que existe no Brasil milhares de diferentes igrejas por onde passam semanalmente milhões de pessoas, cada uma com o seu fardo, a sua dor. A igreja, geralmente, é um ambiente convidativo, aparentemente seguro e tranquilo. Local de oração, louvores, lágrimas e encontro com Deus e com algum amigo ou irmão. O que chama a minha atenção, sobretudo, e daí o título em epígrafe, são as diferenças entre as igrejas. Enquanto umas prometem o céu e a terra através da teoria da prosperidade, outras praticamente se fecham e mais parecem um velório sem defunto. O silêncio ás vezes é sepulcral. Outras, porém, fazem muito barulho, pessoas veem anjos, tochas de fogo, labaredas, falam em línguas e algumas até são arrebatadas em espírito. Tudo isto, além da dança e dos trejeitos, das palmas ritmadas ou não, do jeito agressivo de se dirigir ás pessoas e, principalmente, a forma de pedir, ou quase exigir dinheiro dos fieis. São as chamadas neo pentecostais, ou mesmo pentecostais avivadas ou tradicionais. Estive recentemente numa igreja considerada "reformada ou tradicional" e me senti muito bem devido à organização, educação e carinho com que tratam as pessoas. Quando cheguei, ajoelhei para orar e depois percebi que algumas pessoas estranharam esse meu gesto, que é uma atitude essencialmente bíblica. O oração lá é feita de forma individual e isolada e muitas vezes quase inaudível. Muito cerimonialismo e eu me lembrei das palavras de Paulo: "Ora, o Senhor é Espírito e, onde há o Espírito do Senhor, ali há liberdade" (II Coríntios 3.17). Me senti meio sem jeito, apesar de toda organização ali existente. Comecei a pensar em escrever algo sobre essas diferenças tão brutais que, evidentemente, são a razão de tanta divisão, de tantas igrejas que se digladiam entre si. E hoje a briga é feia, uma fala da outra, a outra fala da uma, uma defende o seu ponto de vista (até aí tudo bem) mas critica duramente a outra e leva o assunto, muitas vezes, para o lado pessoal e até moral. Me pergunto: onde fica a liberdade do Espírito nessa confusão, nessa batalha, nessa porfia, como se Deus e a Sua Palavra fosse objeto de propriedade de alguém. Nem tanto ao céu, nem tanto à terra. É preciso haver um meio termo. É preciso abrir um parágrafo e recomeçar o texto, a história, a crônica que se iniciou há mais de 2000 anos. Hoje, isto é impossível, pois há muitos interesses financeiros e políticos que pesam no dia a dia das igrejas. Conheço igrejas que se venderam á política partidária, se alugaram a partidos - é bom lembrar que no Brasil tem eleições a cada dois anos, ou seja, mal termina uma e já começam a pensar e se articular visando a outra. E isto é um prato cheio para pastores faturarem usando a sua liderança e os fieis como moeda de troca. Isto é uma vergonha, é um acinte, mas será que essas pessoas tem noção do que estão fazendo? Onde há poder e dinheiro, geralmente não há postura, dignidade e temor a Deus. Por isto muitas igrejas hoje não tem nenhum respaldo social, nenhuma credibilidade diante da sociedade, ou mesmo diante das demais instituições. Só a vinda de Jesus em glória para por fim a essa mixórdia e inaugurar um novo tempo com  "novo céu e nova terra, onde habita justiça". Por aqui, a tendência é piorar cada vez mais. Que Deus tenha misericórdia de nós!

Cícero Alvernaz (autor) 21-11-2017.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

NO DIA DO ANIVERSÁRIO
No dia do aniversário
o cardápio é vário
e consome quase todo o meu salário,
leva o meu dia e às vezes me traz a poesia
numa velha bandeja,
e depois alguém me beija
meio sem vontade,
meio sem desejo
e eu me vejo assim:
com todo mundo e sem mim.
No dia do aniversário
eu vejo o calendário
e ele me olha com dó
e me diz: é meu caro,
hoje você está mais ou menos
e agora tem um ano a menos
para viver, para gozar e para sofrer.
Finjo que não ouço,
pois ainda me considero moço,
com força e jovialidade,
mas dentro do peito
eu sinto que insiste
um jeito triste
e bate a saudade.
Cícero Alvernaz (autor) 20-11-2017.

domingo, 19 de novembro de 2017

FECHADO PRA BALANÇO
Hoje eu não escrevo.
Hoje eu só leio, manuseio
e de permeio avisto letras
e signos que bailam 
diante dos meus olhos
encantados e apressados
indo rumo a alguma coisa ou lugar.
Hoje eu não escrevo
e me vejo perdido
em lembranças boas
e sonhos coloridos
pelos quais eu fui atingido
em algum canto, em algum lugar.
Minha vida não é feita só de tristeza,
como muitos podem pensar.
Também tenho meus momentos
de alegria, poesia e algumas extravagâncias
que me dou o direito de fazer.
Chega de chorar,
muitas vezes até sem saber por que,
chega de poetizar sem destino
e sem mapa e julgar o livro pela capa.
Hoje eu não escrevo,
nem que me peçam sorrindo,
chorando ou de joelhos.
Hoje, vou me abrir
e depois me fechar para balanço.
Cícero Alvernaz (autor) 19-11-2017.

sábado, 18 de novembro de 2017

CLEMÊNCIA
Grunhido, balido, latido, gemido,
animal sem sentido, cansado, perdido.
muitas vezes sofrendo, imerso em dor,
ovelha vagando longe do seu pastor,
animal sozinho, longe da manada,
muitas vezes perdido no mato,
bem longe da estrada.
Animal pedindo socorro, clemência,
vivendo e sentindo a dor da ausência,
vivendo com medo de algum predador,
vivendo escondido, perdido, em dor.
Assim se inquieta e sofre e chora,
até que apareça o dia que a tudo alumia
e assim se anuncia na luz da aurora.
Cícero Alvernaz (autor) 18-11-2017.
MINHA RAZÃO E O MEU FIM
A vida me fez assim,
me moldou e me deixou
muitas vezes sem saber pra onde ir,
abandonado num canto
com o meu pranto,
com o meu medo,
sem me achar, sem me encontrar,
com um amor no peito
apertando de um jeito
que quase me sufoca,
me tira o ar, o sentido,
como um animal ferido,
perdido, com medo,
inseguro no escuro...
A vida me fez assim
e eu amo e me derramo
e clamo sem ser ouvido,
mas me reencontro comigo
e espero passar a tempestade,
depois, porém, a saudade,
traz tudo de volta
como um rio que se enche
e transborda e se inquieta,
e as lágrimas vêm
como um alimento, meu sustento,
uma marca deste amor
que só aumenta e me deixa assim,
pois a vida me fez assim
e o amor é a minha razão
e o meu fim.
Cícero Alvernaz (autor) 18-11-2017.

LONGA ESPERA Fiquei te esperando o dia inteiro, a espera foi mui longa e cansativa. Meu mundo desabou e foi caindo, meu sonho se ocultou e ...